domingo, 19 de junho de 2011

As Brinzimbungas Bruxuleantes de Mr. Green - 1.1


Ao som de Cherbourg - Beirut

[Primeira parte - Narrador situa-se na beira do palco, com as cortinas fechadas. Suas vestes são pretas e compridas, o rosto coberto por maquiagem branca, exceto as pálpebras, que possuem uma tinta preta impenetrável. Sorri de forma sarcástica, mas alegre.]

Esfacelaram-se inteiras as cores
Mergulhadas num rio de plutônio
Nelas cantam os sábios temores
De um vistoso palhaço Jacônio

Na fronte agora a coroa
Desenhada em ouro e marfim
Enegrece a nobre pessoa
A que todos chamavam de Green

[As cortinas sobem e o cenário fica à mostra. O lugar é um quarto luxuoso, digno de um rei. Green situa-se em frente a um espelho redondo que reflete toda a sua figura, coberta de panos cor de sangue, que contrastam bruscamente com o brilho amarelado de sua coroa e dentes. O homem está de costas para a cama de grande tamanho, o baú onde guarda seus trajes e a parede apinhada de quadros de palhaços e figuras circenses. Amélia, atrás da porta, traja um vestido longo e branco, que só não a faz parecer-se com uma noiva pelas bolsas pesadas sob os olhos.]

Mr. Green - [triste]
De que me adianta o ouro
As vestes de cetim bordô
Se como um ínfimo agouro
Em mim grita um triste pierrô?

Sou antagônico à liberdade
Sou a carne por trás da máscara
Ou seria a máscara minha verdade?
Verdade... [pensativo] Devolvam-me a verdade! [ensandecido]

[Subitamente batem à porta, fazendo o homem estremecer. As batidas secas e fortes ecoam por todo o quarto, seguidas por um pequeno empurrão que deixa à mostra os olhos cansados que espreitam do outro lado. Green encara a mulher amedrontado, encolhendo-se levemente.]

Amélia: [sarcástica]
Querem-te à mesa nesse instante
Se terminares as lamúrias a tempo
Engulas esse sentimental farsante
Ou verás teus desejos ao vento

[A porta se fecha de maneira estrondosa, seguida por um silêncio momentâneo. O palhaço volta a encarar o espelho, com mais pressa do que antes. O narrador volta, andando vagarosamente pelo quarto.]

E assim o pierrô tristonho
Apressou-se a de rei se fingir
Mal sabia que seu funesto sonho
Lá em baixo incansava-se a rir
E mentir...

[Fim da primeira parte do primeiro ato.]

6 comentários:

D.Ximenes disse...

Vocabulário +1 depois de ler isso.
Fantástico. O tom, o colorido, o ritmo e as imagens.

Parabéns (e uma pontada de inveja, que só faz engrandecer).

Diio disse...

Leia os últimos posts e então leia esse novo, e aí sim você verá as cores descritas brilhando fortemente. Que mudança! UHAUSH' Curti muito. Agora escreves peças? Deus, você é estranho. UAHUSHUAS

Kamila Camargo disse...

Super ansiosa para ler a continuação *-*
Guto escreve muito bem.

Ninna Abreu disse...

Se um dia precisar, eu enceno õ/
Muito bom mesmo, Guto.
Obrigada por ser inspiração *-*

Bree S. disse...

Não desmerecendo o resto do blog (e nem posso porque tem poema para mim aqui, rs), mas essa é de longe, a melhor obra. Teu ápice. Toda vez que leio, arrepio-me até a sobrancelha. É ousado, bonito, bem construído e de uma originalidade que caçoa. Essa ideia de fazer uma peça, onde as falas são poesias, é no mínimo, genial. Sinto-me lendo um verdadeiro clássico. O único problema, e um problema deveras grave... É que você não terminou, entende? Acabo de ler, suspiro, respiro forte e entro em êxtase. Segundos depois, quase choro por não poder ler mais.

Acho que tu não deverias abandonar isso aqui, nem o blog. Porque me privar de tuas vozes, já é um castigo imenso. Das palavras, não dá, né? Agradeço todos os dias por você existir e exteriorizar algumas coisas aqui. Faz-me melhor.

Este está na minha parede também. Ao lado do Ode à Loucura e do Névoa, rs. E você nasceu para isso, porque és a poesia, disso sabes. E eu diria o mesmo, se não te amasse, saiba também.

Alana Pacheco • • • disse...

Eu não mentiria se te contasse que essa foi uma das raras vezes em que realmente imaginei todo o cenário e todas as expressões dos personagens.

Obrigada por me proporcionar algo diferente! Essa pequena parte de algo que pode ser grande ficou realmente maravilhosa.

Postar um comentário